A utilidade de um perfil de emprego: 6 passos para fazer um

Tens uma entrevista com um candidato em 10 minutos. Fizeste uma lista rápida das especificações do trabalho e das perguntas que irás fazer. Uma vez terminada a entrevista, percebes que saltaste uma pergunta importante ou te esqueceste de verificar algo relevante para a vaga, pelo que passas mais tempo a perseguir o candidato com chamadas e e-mails para obter as informações em falta.

Depois é tempo de comparar as notas que fizeste durante a entrevista com as notas que fizeste durante as entrevistas com outros candidatos e perdes-te entre as diferentes respostas e novas revisões dos seus CV. Isto alguma vez te aconteceu?

Se agora te questionas sobre a utilidade de um perfil de emprego, podemos dizer-te que este pode poupar-te perseguições desnecessárias e permitir-te otimizar o tempo gasto em entrevistas e seleção de candidatos. Neste artigo dizemos-te em pormenor o que é, para que serve e como criar o teu em 6 passos.

O que é um perfil de emprego e qual é a sua utilidade

Um perfil de emprego é uma representação gráfica ou tabular de um perfil profissional. Este documento é responsável por agrupar, de forma resumida, a organização de um posto de trabalho, bem como as aptidões e aptidões necessárias para desempenhar esse trabalho.

É uma ferramenta muito útil na área dos recursos humanos, uma vez que graças a ela, o gestor de seleção poderá saber quais são as características que um candidato deve possuir de forma visual. Também, permite ser objectivo e evitar preconceitos discriminatórios, bem como ser muito claro sobre o que procurar em cada candidato.

Qual é a finalidade de um perfil de emprego

Quando se gere uma vaga mas não se sabe exatamente o que procurar, é inevitável perder-se, por isso o primeiro passo é definir corretamente o perfil do candidato e os critérios de pesquisa. Quando se pretende recrutar o talento certo para o trabalho que se procura, é preciso fazer uma pesquisa e análise minuciosas.

Se não quiseres partir a cabeça no processo de seleção e quiseres encontrar o perfil ideal mais rapidamente e com uma garantia de sucesso, recomendamos que vás a uma consultoria especializada em recrutamento de talentos para fazer um perfil profissional adequado e levar a cabo todo o processo de recrutamento por ti.

O perfil de emprego fornece, portanto, um sistema para definir com precisão um posto de trabalho e avaliar se as candidaturas estão próximas ou afastadas desta definição. Serão selecionados todos aqueles que se aproximarem do perfil, conseguindo assim uma maior produtividade no processo.

Esta ferramenta não só é utilizada para avaliar perfis de acordo com o seu desempenho, mas também para ver se os candidatos apresentados se adaptam ou não aos valores da empresa. De facto, com o gráfico profissional pode estabelecer os critérios que desejas, basta incluí-los no gráfico ou tabela e atribuir um valor, como te mostraremos mais tarde.

Por outro lado, este documento permite que a seleção seja mais objetiva, eliminando critérios orientados pelo sexo, idade, nacionalidade… Isto também pode ser incluído nos valores da empresa, bem como nos planos de igualdade de oportunidades para todos os candidatos que tenham um perfil adequado para o cargo.

Tipos de perfis de emprego

Os perfis de emprego podem ser divididos em dois tipos, dependendo da pesquisa que se pretende fazer:

  • Perfil de trabalho por fatores: Inclui todas as características do posto de trabalho, tanto físicas como psicológicas ou de personalidade, e também as aptidões essenciais para executar as diferentes tarefas exigidas pelo posto de trabalho.
  • Perfil por competências: A sua utilização é mais frequente nos processos de seleção e centra-se no estabelecimento das competências e conhecimentos do trabalhador.. Este tipo de perfil de emprego também permite determinar se o candidato será capaz de aplicar a sua formação para resolver potenciais problemas no local de trabalho.

Agora podes estar a perguntar-te como criar um perfil de emprego. Vê aqui como criar um a partir do zero.

Como criar um perfil de emprego

Antes de começar, tem em mente que o perfil do trabalho não é um documento fechado. Deve ser adaptado a cada processo de seleção e aos interesses ou necessidades da tua empresa. Por isso, a duração do perfil do emprego variará dependendo do emprego a ser preenchido. Se o perfil do trabalho for muito complexo, o seu perfil de trabalho terá mais itens.

Em termos gerais, ao elaborar este documento, deves ser claro sobre os pontos que compõem a análise da profissão e detalhar as características que o candidato deve ter para preencher a vaga oferecida.

Recomendamos que a cries numa folha de cálculo, uma vez que esta ferramenta facilitará o estabelecimento de métricas e a comparação de candidatos. Uma vez definidas as secções e subsecções para classificar as características do candidato ideal, terás de estabelecer os métodos de pontuação que melhor te convêm para cada uma(notas, níveis, pontuações…).

Aqui estão 6 passos a seguir para criar o teu perfil de emprego:

1. Dividir tarefas

Antes de mais, é necessário dividir e definir todas as tarefas necessárias para realizar o trabalho oferecido, atribuindo a cada uma delas a competência necessária para o realizar. Por exemplo, se o trabalho for um engenheiro de conceção de produtos, poderá acrescentar tarefas como “conceção de maquinaria e peças de fabrico”, “preparação de listas de materiais para compra/fabricação”, “preparação de documentação técnica”, “visitas ao local”, etc.

Isto implica enumerar numa tabela todas as funções que terá no cargo e deixar algumas células livres para marcar as que o candidato saberá desempenhar.

2. Especificar a educação e formação

Escreve no documento todos os estudos, qualificações, conhecimentos e aptidões que são necessários, podes também pensar em quais poderiam ser uma vantagem.

Por exemplo, se a oferta for para um engenheiro informático bilingue, os valores a ter em conta nesta secção poderiam ser: ter uma licenciatura em engenharia informática, licenciaturas relacionadas com análise de dados ou desenvolvimento de processos de IA, um mestrado em engenharia informática e mesmo qualificações em língua inglesa. Neste caso, ter uma licenciatura em análise de dados seria uma vantagem.

3. Listar competências transversais (soft skills)

Com o posto de trabalho em mente, faz uma lista de todas as competências transversais (soft skills) que o candidato deve ter. Por exemplo, se a vaga for “líder de projeto”, o candidato deve ser proficiente na comunicação e demonstrar capacidades de liderança o, tais como a capacidade de motivar e gerir uma equipa, paciência, etc.

4. Determinar níveis de experiência

Deves determinar que níveis de experiência são necessários para que o empregado desempenhe corretamente o cargo oferecido; se é necessário que tenha experiência no sector ou simplesmente numa posição com funções semelhantes.

Por exemplo, se a vaga for para um cargo de gestor de vendas, podes adicionar diferentes caixas no documento onde pode determinar se os seus empregos anteriores são semelhantes ou não ao cargo oferecido. Nesta secção recomendamos que deixes um espaço em branco para que possas escrever notas tais como os nomes dos empregos que desempenhou.

5. Aspetos de personalidade

Neste caso, deves ser muito claro sobre o perfil psicológico do candidato. Referimo-nos a esses aspetos pessoais como sinceridade e iniciativa, que variarão muito dependendo da posição oferecida. Fazer uma lista de todos os traços de personalidade que o candidato ideal deve ter, e junto a ela duas colunas para indicar se os tem ou não.

6. Outros

Dependendo da vaga, poderá ser necessário incluir outros itens, tais como oportunidades de promoção ou opções de desenvolvimento pessoal. Se, por outro lado, a oferta de emprego tiver mais especificidades, como, por exemplo, a obrigação de viajar para o estrangeiro ou o teletrabalho, então podes acrescentá-las nesta secção.

Porque é que é útil ter um perfil de emprego?

Irá otimizar o processo de pesquisa

Dizem que tempo é dinheiro e com esta ferramenta será capaz de reduzir drasticamente o teu investimento de tempo no processo de seleção. Graças ao processo de criação de um perfil de emprego, a empresa será capaz de criar um modelo do candidato que procura.

Desta forma, não só os anúncios das vagas que geres serão mais claros e eficazes, como também o processo de seleção será mais dinâmico e preciso, pois terás à tua disposição toda a informação necessária para determinar se o candidato preenche ou não os requisitos do perfil, e para elaborar uma classificação dos candidatos através das pontuações obtidas nas métricas mais importantes.

Reduzirás a taxa de rotação

Encontrar a pessoa ideal significa que o novo empregado não só será profissionalmente adequado para realizar todas as tarefas necessárias para o cargo, mas também se adaptará perfeitamente ao grupo já estabelecido, à cultura, aos valores e, em suma, à empresa como um todo.

Isto reduzirá significativamente a probabilidade de o novo empregado sair, porque se o percurso de carreira e o processo de seleção tiverem sido feitos corretamente, os teus valores e interesses estarão alinhados com os da empresa.

Em resumo, poderíamos dizer que o perfil do cargo é uma ferramenta muito útil para avaliar o nível de adequação de um empregado ou futuro empregado ao cargo, e assim conseguir um maior desempenho e produtividade do departamento de recursos humanos da empresa. Já o implementaste nos teus processos de seleção?

¿Te resultó interesante este artículo? ¡Compártelo con tu red!